O Dia Internacional da Síndrome de Down é celebrado anualmente em 21 de março e tem o objetivo de conscientizar as pessoas sobre a importância da luta pelos direitos igualitários, bem-estar e a inclusão das pessoas com Down na sociedade.

A síndrome de Down não é uma doença, mas uma condição inerente à pessoa, portanto não se deve falar em tratamento ou cura. Os sinais e sintomas foram descritos em 1866, pelo médico inglês, John Langdon Down.

Crianças, jovens e adultos com a síndrome possuem uma mutação no cromossomo 21 que faz com que o portador não tenha um par, mas um trio de cromossomos. Por isso, ao invés de 46 cromossomos, como a maior parte da população, eles possuem 47.

Com as alterações provocadas pelo excesso de material genético suas características físicas são similares, como baixa estatura, olhos puxados e amendoados, céu da boca mais encurvado, entre outras características típicas.
Além dos dados genéticos e aspectos físicos, é preciso o acolhimento de todos os portadores da síndrome de Down na sociedade.

Inseri-los o mais próximo possível de todas as atividades da vida é fundamental logo na infância, pois estimula vencerem limitações e descobrirem suas potencialidades, podendo levar uma vida normal na idade adulta, inclusive trabalhando de forma ativa em qualquer segmento.

Dentro da área da saúde, os profissionais que se destacam no auxílio ao longo da vida dos portadores da síndrome, são fisioterapeutas e fonoaudiólogos. Na fisioterapia, muitos exercícios podem ser ministrados para auxiliar no desenvolvimento motor do paciente. Já o fonoaudiólogo trabalha o fortalecimento dos músculos da boca ajudando dessa forma numa melhor articulação dos sons da fala.

Dia Internacional da Síndrome de Down
Compartilhe esta notícia: