Teste do Pezinho é importante para a saúde dos bebês

Neste último domingo (06), celebrou-se o Dia Nacional do Teste do Pezinho. Conhecido como triagem neonatal, o exame ajuda a diagnosticar doenças genéticas e metabólicas, que se não forem detectadas e tratadas precocemente, atrapalham o desenvolvimento da criança.

De maneira simples, rápida e segura, a coleta de sangue do calcanhar do recém-nascido é feita ainda na maternidade sem custo. Em todo o Paraná, o exame é realizado pela Fundação Ecumênica de Proteção ao Excepcional (FEPE) instituição responsável por realizar o Programa Nacional de Triagem Neonatal (PNTN).

Nos últimos doze meses, foram feitos 395 testes em recém-nascidos pelo plano do Instituto Curitiba Saúde (ICS). O exame deve ser realizado no período entre 48 horas e 5 dias de vida do bebê.

Atualmente o teste detecta seis doenças: fenilcetonúria, hipotireoidismo congênito, síndromes falciformes, fibrose cística, hiperplasia adrenal congênita e deficiência de biotinidase.

No Paraná, ainda é disponibilizado em toda a rede de saúde uma triagem que identifica outros cinco distúrbios de oxidação de ácidos graxos e deficiências genéticas metabólicas.

DIAGNÓSTICO AMPLIADO – No final de maio deste ano, foi sancionada pelo Governo Federal, a Lei 14.154, que aumentou de 6 para cerca de 53 enfermidades detectadas através do exame.

A ampliação será escalonada em cinco etapas, abrangendo em cada uma delas, mais doenças detectáveis, até atingir o número previsto na lei.
Caberá ao Ministério da Saúde estabelecer os prazos para programar cada etapa do processo.

Teste do Pezinho
Compartilhe esta notícia: