Primavera favorece aparecimento de doenças respiratórias


Foto: Site Prefeitura Municipal de Curitiba – Pedro Ribas/SMCS

Nesta quarta-feira (22) começa a primavera, a estação mais bonita do ano. As árvores ficam mais frondosas e as flores desabrocham formando um espetáculo de encher os olhos das pessoas. Essa atração natural que a estação nos traz, também vem acompanhada de algumas doenças respiratórias alérgicas que assim como as plantas, se afloram com mais intensidade.

Rinite, bronquite, sinusite, asma e conjuntivite alérgica são exemplos de distúrbios na população que pioram na estação das flores, devido a diversos fatores como: alterações climáticas, baixa umidade relativa do ar, variação de temperatura, níveis aumentados de poluição e o pólen das plantas dispersadas no ar.

Algumas dicas para enfrentar a estação com menos danos a saúde podem ser seguidas pela população. Primeiramente é preciso evitar ambientes fechados. Ao entrar em ônibus, é importante que as janelas estejam abertas para manter o local mais arejado possível. O mesmo deve ser feito em casa e no ambiente de trabalho. Ambos os locais precisam que a circulação de ar seja constante.

Lavar roupas de cama com frequência, reforçar cuidados com a limpeza da casa, evitar exposição à fumaça de cigarro e poeira são fatores identificados como desencadeadores de crises e precisam ser visto com todos os cuidados possíveis, para que preventivamente não ocorram maiores problemas.

Mas nem sempre os cuidados bastam. Muitas vezes é necessário um acompanhamento médico constante para ajudar a enfrentar essas doenças. Nas consultas, o paciente deve passar por uma extensa avaliação para descobrir o que de alérgeno e poluente pode estar desencadeando os sintomas. As orientações para esses casos e prescrição de medicamentos anti-histamínicos e antialérgicos devem ser feitas por um médico.

Curitiba, a “cidade da rinite”!

Quem mora em nossa capital, com certeza já ouviu falar de rinite e seus sintomas desagradáveis. Essa doença crônica afeta as mucosas do nariz, causa espirros seguidos, coriza aquosa e obstrução nasal.

Para o curitibano ter rinite ou conhecer alguém com a doença é muito comum. As características naturais do clima local, a arborização da cidade, facilitando a dispersão do pólen, e até mesmo a grande oscilação de amplitude térmica, são fatores que contribuem para essa patologia.

Por isso, é preciso evitar poeira, ácaros, baratas, fungos e caspas de animais domésticos para ajudar a amenizar as crises e buscar atendimento médico adequado.

Início da Primavera – Doenças Respiratórias
Compartilhe esta notícia: